13 de julho de 2017

Os Santos da Última Hora

Expedito é um dos santos mais populares do Brasil. Para os devotos, ele é "o santo da última hora" - aquele ao qual se pode recorrer nas causas urgentes - seja de saúde, finanças ou questões espirituais. Sua veneração vem de muito tempo e sua história - por vezes curiosa - é repleta de lendas que se entrelaçam, de religiões completamente diferentes e até de interesses de cunho intimamente político.

Até o início do século passado, a Igreja mostrou-se contrária ao seu culto alegando que seus seguidores fragmentariam a religião. Essa opinião, a principio conservadora, era igualmente compartilhada com outros santos também populares: São Jorge e os gêmeos Cosme e Damião. Mas o bom senso acabou prevalecendo e a Igreja curvou-se diante da fé popular: São Expedito acabou sendo um dos santos mais festejados no Brasil.


Pouco se sabe sobre São Expedito. As lendas contam que ele era um grande comandante da 12ª Legião romana aquartelada em Melitene, uma cidade situada no sudeste da Turquia. Sua principal missão era proteger o Império das constantes invasões bárbaras e dos conflitos religiosos que comumente ocorriam naquele território. Devido à aproximação e a interação cultural desse caldeirão efervecente, Expedito acabou se convertendo ao Cristianismo. Por esse motivo foi expulso da Legião e condenado à decapitação pelo imperador Diocleciano, no ano 303 dC.

Não existem outros detalhes sobre a vida pessoal de Expedito, mas muitos anos após a sua morte, no século VIII, ele já era cultuado na Germânia e na Sicília. Logo o seu nome e as crendices se espalharam pela Europa; e por volta do século XVII, tornou-se padroeiro dos advogados e dos juízes: muitos juravam que na sua invocação os processos judiciais corriam com êxito. A sua imagem altiva, segurando uma cruz e pisando no corvo negro, foi inspirada em uma campanha publicitária da Igreja que convidava os pagãos para não adiarem para o dia seguinte a conversão ao Cristianismo.


Tudo o que foi acrescentado ao imaginário popular, diz respeito à origem da sua conversão: interceptado na estrada por um corvo gigante que gritava Crás! Crás! ("Amanhã! Amanhã!", em latim), Expedito teria derrotado o monstro com sua espada, esmagando sua cabeça com suas sandálias douradas gritando "Hodie! Hodie!" (expressão latina para Hoje!) - originado assim a sua disposição heroica de se converter a nova religião.

NA ORIGEM DO NOME, UM ERRO DE INTERPRETAÇÃO

Santo Expedito é envolto em lendas. Seu nome, por exemplo, dizem que teve origem em uma palavra rabiscada a carvão num ataúde abandonado misteriosamente na porta de um convento francês. A palavra, em latim, "EXPECDITUS", significava "expedido", "entregue". Dentro do caixão havia os restos mortais do que parecia ser de um religioso. Surpresas com o conteúdo macabro, as freiras traduziram a inscrição como expédié - palavra, que traduzida para o francês, significava "urgente".

A cúpula do convento acreditou que os ossos haviam sido provavelmente removidos das antigas catacumbas de Roma por alguém que desejava que o religioso fosse enterrado num lugar santo. Isso explicava a encomenda abandonada às portas do convento e a lacônica mensagem.

Dizem que após a chegada do misterioso do morto, vários acontecimentos milagrosos aconteceram dentro do convento. Ao ouvir as histórias o povo iniciou uma peregrinação. As freiras passaram a divulgar os milagres que o defunto chamado Expedito promovia; e mais: que o religioso havia sido impiedosamente assassinado pelas hordas romanas depois de pregar a conversão aos pagãos. Foi deste modo que Expedito, o santo, ganhou um nome e novos dados biográficos.

OS SINCRETISMOS RELIGIOSOS NA UMBANDA E NO CANDOMBLÉ

Assim como a história de Santo Expedito, várias outras biografias religiosas escondem ora interesses políticos, ora invencionices. Sincretismo é a junção ou mistura de cultos ou de doutrinas religiosas distintas culturalmente, que com o passar do tempo, atribuem um novo sentido aos elementos já existentes. O próprio Santo Expedito é venerado na Umbanda - a mais cultuada das religiões nascida no país, resultado da fusão do Candomblé com o catolicismo e com o espiritismo - como Logum Edé (ou Logunedé). 

Creio que os sincretismos deveriam ser avaliados pelo o que ainda fazem na cultura dos povos. Nos dias atuais nem a Umbanda e nem o Candomblé ou qualquer outra religião tem a necessidade de se esconder atrás de outra: somos todos livres e capazes de conhecer e respeitar a fé alheia. Por isso fiz questão de escrever esse artigo.

Um desses exemplos de sincretismo ocorre com a devoção a Logum Edé, o jovem orixá guerreiro, filho de Oxossi e de Oxum - curiosamente associado a Santo Expedito e a São Miguel Arcanjo. O que Santo Expedito, São Miguel Arcanjo e Logum Edé têm em comum?

Para entender essa profusão de elementos culturais é preciso explicar esse processo que novamente atravessou séculos e interligou vários povos em torno - mais uma vez - de interesses políticos e sociais.

O QUE SANTO EXPEDITO, SÃO MIGUEL ARCANJO E LOGUM EDÊ TEM EM COMUM?

Conta a história, que Miguel - um arcanjo pertencente às doutrinas religiosas judaicas, cristãs e islâmicas - ganhou um dos primeiros santuários dedicados a ele, construído no século IV, pelo Imperador Constantino, o Grande. Mas, segundo os historiadores, esse templo, antes pagão, havia sido construído há séculos para cultuar Zeus, deus do Olimpo. No interior do templo repousava a imensa estátua de Zeus, jovem, aguerrido, trajando uma armadura e travando uma sangrenta batalha com um monstro alado.

Movido de interesses políticos, o Constantino tratou de reinterpretar a história. Disse que após pernoitar no templo, teve uma visão de um guerreiro investido de uma armadura, na figura de Miguel, o Arcanjo. Foi assim que converteu o antigo santuário grego em um templo cristão. A partir daquela época Zeus seria removido do seu esforço e São Miguel, o Arcanjo pisaria na cabeça do demônio. A imagem se tornou icônica, claro.

Compare as duas imagens: ambas se assemelham na representação de um guerreiro esmagando a cabeça de um ser infernal. Ao colocarmos as imagens lado a lado, poderemos perceber que o demônio subjugado por São Miguel, possui os mesmos significados simbólicos do corvo negro pisoteado por São Expedito. Curiosamente, as asas de São Miguel, o comandante das Milicias Celestes, representam a rapidez com que os anjos se locomovem.

No início do século XX, a exemplo de Iemanjá, algum "pai-de-santo" levou a imagem dos santos católicos para o altar sincretizando os atributos aguerridos a Logum Edé, o jovem guerreiro nigeriano, filho de Oxóssi Ibualama com Oxum Ipondá. No Brasil, o Orixá é identificado como Santo Expedito e São Miguel Arcanjo.

Santo Expedito é venerado na França, Alemanha, Espanha, Portugal, Itália e na América Latina. Ele é padroeiro das causas urgentes, patrono dos estudantes, dos advogado nas questões jurídicas, dos comerciantes e dos militares. Sua festa litúrgica é em 19 de abril. São Miguel Arcanjo, é festejado em 29 de setembro, assim como Logunedé, saudado nos terreiros do Brasil com a mesma veneração.




SAIBA MAIS SOBRE O AUTOR DESSE ARTIGO
Pryom PRYOM é Numerólogo, Médium Espiritualista e Filho de Xangô. Se quiser saber mais, clique aqui. Se gostou do blog assine para receber os próximos artigos.


RECOMENDADAS PARA VOCÊ

0 comentários :

Postar um comentário