14 de maio de 2011

Páginas ocultas da História

Todos aqueles que foram verdadeiramente os maiores homens do mundo, morreram desconhecidos. Os Budas e Cristos dos quais ouvimos falar são personagens secundários se os compararmos aos grandes homens que a Humanidade desconhece. Esses numerosos heróis anônimos viveram por todos os cantos do mundo e seu trabalho silencioso não foi conscientemente reconhecidos por nós.

Mas, com o passar do tempo, seu pensamento iluminado acabou sendo expresso pelos líderes espirituais que foram surgindo, integrando, a partir, disso, o saber humano. Estes trabalhadores ocultos não lutam pela fama nem procuram ser conhecidos pela sua sabedoria. Legam apenas seu pensamento, sem nada pedirem para si. Sequer criam escolas ou propõem teorias que levem seus nomes. Esse proceder discreto faz parte de sua própria natureza. Eles são os Sattvikas, que nunca geram polêmicas ou conflitos. Simplesmente desaparecem dissolvidos em amor...

Segundo afirmação do próprio Gautama Buda, ele seria o vigésimo quinto Buda. Não temos idéia de quem teriam sido os vinte e quatro que o precederam, embora as palavras do conhecido Buda provavelmente tenham sido inspiradas no saber e na que o antecederam.
-->



Os maiores homens da História são tranqüilos, silenciosos e anônimos. São eles os que de fato conhecem o extraordinário poder do pensamento e sabem que, mesmo encerrados no interior de uma caverna totalmente vedada, se meditarem apenas sobre cinco verdadeiros pensamentos e morrerem em seguida, a força desses pensamentos vencerá as montanhas, cruzará os oceanos e se estenderá por todo o mundo, mantendo-se presente e atuante por toda a eternidade...

Pouco a pouco essa força penetrará da maneira mais profunda nos corações e mentes, gerando homens e mulheres que a expressarão na continuidade da espécie humana.

Os Budas e os Cristos estarão sempre caminhando por todos os lugares, transmitindo aos demais essa plena sabedoria... Esses homens, os Sattivikas, estão muito próximos do Absoluto para se entregarem às atividades comuns, combaterem e pregarem aos que fazem parte do que chamamos Humanidade.

Swami Vivekananda (1869-1902)

0 comentários :

Postar um comentário