9 de setembro de 2015

A Divindade Interior

De acordo com uma lenda hindu, os seres humanos abusaram tanto de seus poderes divinos que os deuses decidiram retirar-lhes a divindade e escondê-la onde os homens jamais a pudessem encontrar. Mas eis a questão: onde? Se escondessem a divindade no fundo da terra, os homens cavariam até encontrá-la. Se a enterrassem no fundo do oceano, os homens acabariam por achá-la. Se, por outro lado, a divindade fosse colocada no alto de uma montanha, um dia os homens escalariam o pico e a descobririam.

Por fim, o mais sábio dos deuses disse: "Eis o que faremos com a divindade humana: vamos ocultá-la no interior do próprio homem, pois esse é o último lugar em que pensaria em procurá-la".


E assim tem sido. Durante séculos, temos explorado a terra, o céu e o mar em busca de uma experiência que se encontra no nosso próprio quintal. Atualmente, porém, a humanidade está numa situação decisiva. Finalmente, estamos à procura da divindade no nosso íntimo - lugar onde sempre esteve.

Você tem um papel importante nessa transformação. À medida que começar a se voltar para dentro de si, sua espiritualidade irá emergir a partir da sua experiência dessa divindade interior.

Quando um número maior de pessoas se aperceberem dessa divindade interior, os dogmas e conflitos religiosos que têm dividido o planeta desaparecerão. Independentemente da cultura ou formação de cada um, nossa experiência íntima do Divino será única e a mesma para todos.


Ela será a experiência do Amor.
Douglas Bloch, no livro "Palavras que Curam"


SAIBA MAIS SOBRE O AUTOR
Pryom PRYOM é Numerólogo e Médium Espiritualista. Formado em Publicidade, desde jovem é empenhado em compreender a alma humana. Ministra palestras sobre Numerologia e encontros sobre o autoconhecimento. Se quiser saber mais, clique aqui. Se gostou do blog assine para receber os próximos artigos.

2 comentários :

  1. Somos Deuses em evolucao!
    Obrigada p/ dividir gotas de sabedoria.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gratidão, por compreender a filosofia do blog, Gilmara Matos!

      Excluir