8 de junho de 2012

O Louco

Tenho duas confissões a fazer: sou cartesiano. Para mim, Deus não é fundamentado na Religião. O Todo-Poderoso possui raízes na ciência, portanto, é um Deus filósofo. Mesmo sendo cartesiano, o leitor deve ter percebido que possuo os pés soltos, livres para me levar aonde quiser, e nem o racionalismo impediu-me de frequentar na juventude cultos evangélicos ou de me curvar aos deuses do candomblé. Ainda hoje sou assim. A liberdade constituiu a base da minha fé. Os racionalistas possuem a crença de que o universo corresponde às idéias muito claras pautadas exclusivamente na razão: 1+1=2. Não há surpresas matemáticas. Foi assim que Descartes estabeleceu seu discurso. Logo, meu caro leitor, se eu penso, eu existo.


Convenhamos que hoje em dia as idéias muito claras e pautadas pela razão não existem mais nem na matemática – vede os números irracionais. O universo consiste num eterno fluxo de mudanças, contraditórias, imprevisíveis. Atualmente os paradigmas continuam sendo quebrados e o que criticamos ferozmente ontem poderá ser mal interpretado pelos politicamente corretos amanhã.

Essa divagação tem muito a ver com a minha segunda confissão: até hoje me delicio com o Elogio da Loucura de Erasmo. E um dos trechos mais marcantes que me vem à lembrança é este: “Tudo o que fazem os homens está cheio de loucura. São loucos tratando com loucos”.


O leitor perguntará: ler um livro que fala sobre a loucura merece uma confissão? Claro que sim! Esse livro foi o grande incentivador do meu posicionamento religioso na juventude. O Elogio da Loucura é uma impiedosa crítica aos costumes religiosos e nada possui de insanidade. A obra-prima do humanismo renascentista abalou seu tempo com críticas mordazes sobre a sociedade e ainda hoje provoca brilho e ironia. Se você ainda não leu, leia. O grande trunfo para quem segue o caminho espiritual é nunca abandonar a leitura. Leia muito. Eu leio, principalmente, os compêndios filosóficos dos nossos antigos mestres. Afinal, quase todos os best-sellers da atualidade bebem nessa rica fonte (vide a obra de Augusto Cury).

Sendo assim, continuarei com as minhas divagações filosóficas.
Alguns leitores sentiam uma enorme curiosidade para saber os motivos que me levavam a não me identificar, logo que criei o blog. Àqueles, mais curiosos, responderei: eu queria representar um personagem que rompeu com todas as relações religiosas. Não existe mistério algum. Mostrando ou não o rosto, sou um Peter Pan, um puer aeternus, uma eterna criança que ensina a voar. Exibo por fora o que sou no coração. Misturo estilos e conceitos da numerologia, da astrologia, da filosofia e da arte. Sou supersticioso, reúno em minhas experiências, reservas e valores que foram legados pelos meus antepassados. Se antes tinha o rosto voltado para frente, em direção ao futuro – hoje encaro o presente. Trago em minhas mãos um lótus e não uma trouxa rasgada – característica dos vagabundos e dos viajantes. Não tenho compromisso com as inverdades, por isso posso seguir caminhando à procura da Honestidade. Afinal, quem terá coragem de agredir um idiota que se arma apenas com uma flor de lótus? 

À propósito contar-lhes-ei uma história de Turgenev, chamada "O Louco". Creio que ela cairá como uma luva para ilustrar essa realidade insana. Acomode-se e ouça - quer dizer - leia o que seguirá abaixo.

Houve certa vez, numa cidadezinha, um homem foi acusado por toda a população de ser o maior louco que já existiu. Obviamente ele tinha uma vida difícil. Não importava o que dissesse, as pessoas sempre começavam a rir - mesmo que ele estivesse dizendo uma coisa bela e verdadeira. Mas, como ele era conhecido pela loucura, as pessoas achavam que qualquer coisa que fizesse e dissesse só poderia ser uma estupidez. Ele podia estar citando sábios, mas ainda assim as pessoas riam dele.

Um dia ele procurou um velho sábio e disse que estava pensando em cometer suicídio, pois não suportava mais viver no mundo.

__  Mestre, todos me chamam de louco. Ou você me ajuda a encontrar uma saída ou sou capaz de me matar.

O velho sábio deu risada. E disse:

__ Isso não é problema, não se preocupe. Faça apenas uma coisa: comece a dizer “NÃO” para tudo; depois volte a me procurar daqui a uma semana. Comece a questionar o que quer que seja. Se alguém disser: ‘Olhe, o pôr-do-sol, que beleza!’ Pergunte no mesmo instante: ONDE ESTÁ A BELEZA? NÃO VEJO NADA. PROVE QUE HÁ BELEZA! O QUE É BELEZA? NÃO EXISTE BELEZA NESTE MUNDO. ISSO É PURA BOBAGEM! Insista nas provas, diga: PROVE ONDE ESTÁ A BELEZA. DEIXE-ME VÊ-LA, DEIXE-ME TOCÁ-LA. DÊ UMA DEFINIÇÃO. Se alguém disser: ‘A música provoca êxtase!’ Pergunte sem pensar duas vezes, O QUE É ÊXTASE? O QUE É MÚSICA? DEFINA ESSES TERMOS COM CLAREZA. NÃO ACREDITO EM NENHUM ÊXTASE, É TUDO UMA TOLICE, TUDO ILUSÃO. A MÚSICA NADA MAIS É DO QUE O BARULHO. Faça isso todos os dias e, depois de uma semana, me procure. Seja negativo, faça perguntas que ninguém pode responder: O que é a beleza? O que é o amor? O que é o êxtase? O que é a vida? O que é a morte? O que é Deus?

Depois de sete dias o homem tolo voltou a procurar o sábio, mas desta vez veio seguido por muitas pessoas. Ele estava muito bem trajado e tinha uma guirlanda na cabeça.
O sábio perguntou:
__ O que aconteceu?

E o louco respondeu:
__ Foi mágico! Agora a cidade inteira acha que eu sou o homem mais sábio do mundo. Todo mundo acha que eu sou um grande filósofo, um grande pensador. As pessoas se calam diante de mim, sentem até medo! Na minha presença, reina o silêncio, pois seja lá o que digam, eu transformo numa pergunta e me torno absolutamente negativo. O seu truque funcionou!

O sábio perguntou:
__ Quem são essas pessoas que estão seguindo você?

Ele disse:
__ São os meus discípulos! E acredite, eles querem aprender comigo o que é sabedoria!

Está vendo? É assim que as coisas são. A nossa mente vive no negativo, e comumente ela só nos responde "NÃO"; o combustível da mente é não para tudo. A mente é basicamente ateísta, negativa. Não existe mente positiva. Leia e releia essa história. E pense.


SAIBA MAIS SOBRE O AUTOR DESSE ARTIGO
Pryom PRYOM é Numerólogo, Médium Espiritualista e Filho de Xangô. Ministra palestras sobre Numerologia e encontros sobre o autoconhecimento humano. Se quiser saber mais, clique aqui. Se gostou do blog assine para receber os próximos artigos.

2 comentários :

  1. ENCONTRO , com homens notáveis!

    Precisa mais?!

    Mandaran.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Continue sempre na direção do seu Eu Superior.
      Namastê!

      Excluir